CÉLULAS TRONCO E AUDIÇÃO

Pesquisa britânica indica que células-tronco podem curar a surdez

Implante de células troncos que se comportam como neurônios auditivos podem restaurar a audição

Uma equipe da Universidade de Sheffield, em Londres, anunciou a descoberta de como fazer as células-tronco se comportarem como células sensoriais ciliadas, ou neurônios auditivos, que poderiam então ser cirurgicamente implantadas no ouvido para restaurar a audição perdida. O pesquisador Marcelo Rivolta disse que essa abordagem, que está sendo testada em animais, tem um potencial significativo, mas ainda falta muito para ser oferecido a pacientes. Vai levar vários anos antes que estejamos em condição de começar a fazer testes em humanos disse ele por telefone.

As células que captam os sons só podem ser criadas no ventre, o que significa que não há como restaurá-las quando danificadas, o que resulta em perda permanente da audição. Mas essa situação pode ser dramaticamente alterada pelo uso das células-tronco – “manuais de instrução” capazes de dar origem a qualquer tecido ou órgão do corpo – para gerar esse tipo de célula em laboratório.

A pesquisa segue os passos de um outro grupo britânico que, num trabalho mais avançado no campo oftalmológico, pretende realizar em 2010 ou 11 os primeiros testes clínicos com células-tronco para o tratamento da degeneração macular, uma causa frequente da cegueira em idosos.

Os médicos esperam no futuro usar as células-tronco para tratar diversas doenças, como o Mal de Parkinson, diabetes e  câncer, mas abordagens localizadas para os olhos ou ouvidos podem ser um promissor primeiro passo, já que há menos células envolvidas.  Rivolta e seus colegas usaram células-tronco fetais, embora também estejam investigando o potencial de células-tronco embrionárias e adultas. Estudos em laboratório mostram que as novas células derivadas do tecido fetal se comportaram e funcionaram como as células normais em ouvidos em desenvolvimento.

Esta pesquisa é incrivelmente promissora e abre possibilidades excitantes ao nos deixar mais próximos de restaurar a audição no futuro – afirmou Ralph Holme, diretor de pesquisas biomédicas do Real Instituto Nacional para os Surdos da Grã-Bretanha, que participou do financiamento da pesquisa. Detalhes da pesquisa foram publicados na revista “Stem Cells”.

  • Fonte: (O Globo)
  • Tirada do site: http://www.winaudio.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *